Cirurgia de tumores cutâneos

O Câncer da pele é dividido basicamente em " Melanoma " e " Câncer da Pele não Melanoma ( CPNM )", cujos principais representantes são o Carcinoma Basocelular ( CBC ) e Carcinoma Espinocelular ( CEC ). O melanoma corresponde a aproximadamente 4 % de todos os diagnósticos, o CBC a cerca de 75% e o CEC,20 %. Os demais casos de Câncer da Pele são mais raros e ocupam um total de 1%. Esta grande divisão se refere ao prognóstico. O melanoma é relativamente freqüente e tem potencial de metástase para o organismo. Já os demais têm maior importância epidemiológica, ou seja , são muito freqüentes e podem causar deformidades por invadirem estruturas mais profundas como gordura, ossos e cartilagens; apesar de que o CEC tem uma chance de causar metástase, principalmente se localizado em mucosas ( lábios e genitais ) ou se é proveniente de feridas crônicas. O CBC é o câncer mais comum do ser humano.

O tratamento de todos estes tumores é via de regra cirúrgico. No caso do CPNM delimita-se a margem do tumor com o auxílio de um dermatoscópio e remove-se cerca de 0,4 a 1, 5 cm além do que foi marcado ( margem de segurança) dependendo do tipo específico de tumor e o corte se aprofunda até o nível da gordura.Quanto ao melanoma , a margem de segurança será em relação à cicatriz deixada pela sua biópsia, que ao contrário do CPNM deve ser excisional , ou seja , toda a lesão suspeita foi previamente removida para análise.A margem será maior ou menor de acordo com as características encontradas na biópsia anterior , principalmente no que se refere à profundidade do melanoma.